segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Decisão

Rabisco no céu
os meus sonhos de criança
e no papel,
vejo, em nuvens, a esperança.

Tudo passa
e eu aqui a escrever.
Estou à caça
do meu mais belo ser.

Não entendo a vida
tão bem assim.
Nem sequer viajo em cores
até o fim.

Sou aprendiz do vento
e com o tempo,
vou vivendo cada momento,
observando em contentamento.

Não sei se espero.
Afinal, a vida já passou
e não me deu o que eu quero.
O que eu quero também passou...

A decisão, enfim, chegou.
A escrever cá estou
(e pretendo ficar)
acho que achei o meu lugar...

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Regras...

Dentro desse nosso mundo regrado, muitas vezes, buscamos regrar também a nós mesmos, nossas emoções, nossos sentimentos... Existe erro maior que esse??
Sentimentos surgem livremente, e é assim que precisam continuar: totalmente livres...
Engano nosso acreditar que as regras engrandecem... Elas são simplesmente necessárias, porque as fizemos necessárias... Mas elas não devem ser uma opção para o coração...
Pensamos poder controlar tudo através de regras, mas é pura ilusão...
As regras aprisionam demais, sufocam demais, inibem demais...
Os sentimentos devem ser livres, devem poder voar, retornar quando for de vontade, sair novamente do peito...
Nem tudo recisa estar em um local determinado, pré-limitado, pré-definido. Nem tudo precisa cumprir os pré-requisitos... Tudo que é "pré", já é, em si, errado ou senão equivocado...
Nossos corações precisam de mais liberdade, de menos amarras, de menos obrigações...
Ansiamos por novas coisas, mas não encontramos, pois estamos claustrofóbicos dentro de nós mesmos, dentro de nossa própria prisão...
Sentimentos aprisionados e determinados, são piores do que a ausência deles...

É por isso que dou razão ao poeta, e repito:
"Vamos nos permitir!!!"
.
.
.